Netsaber » Biografias

Alcides Maya

(jornalista, político, contista, romancista e ensaísta)
1878-1944


Alcides Maya (A. Castilho M.), jornalista, político, contista, romancista e ensaísta, nasceu em São Gabriel, RS, em 15 de outubro de 1878, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 2 de outubro de 1944. Eleito para a Cadeira n. 4, na sucessão de Aluísio Azevedo, em 6 de setembro de 1913, foi recebido pelo acadêmico Rodrigo Octavio em 21 de julho de 1914.

Seu pai, Henrique Maya de Castilho, era funcionário federal e de origem citadina. O vínculo com o pago e o sentimento gaúcho, que marcariam a ficção do futuro escritor, vieram-lhe através da linha materna. Carlinda de Castilho Leal, sua mãe, era filha de Manoel Coelho Leal, dono da estância de Jaguari, no município de Lavras do Sul, e ainda de duas frações de campo em São Gabriel, chamadas Tarumã e Guabiju. Alcides Maya passou a infância na estância de Jaguari, cenário de muitas de suas páginas regionalistas, sobretudo no romance Ruínas vivas, que é, de certo modo, a visão nostálgica da estância avoenga. Antes de ter concluído os estudos primários, Alcides foi levado para Porto Alegre, onde fez os estudos de humanidades. Em 1895, quando contava 18 anos, ingressou na Faculdade de Direito de São Paulo. A sua verdadeira vocação, porém, eram as letras e o jornalismo, por isso abandonou o curso de Direito. Retornando a Porto Alegre em 1896, entregou-se à prática do jornalismo militante, atividade que ele exerceria ao longo de toda a vida.

No jornalismo distinguiu-se sempre pela preocupação eminentemente cultural e pelo engajamento político. Iniciou em A Reforma, órgão federalista, mas logo foi "lutar ao lado dos batalhadores da República". A partir de 1897, passou a integrar a redação de A República, órgão da dissidência republicana, e chegou a ocupar a direção do jornal. Aos 19 anos estreou em livro com Pelo futuro. Seus artigos de jornal de 1898 a 1900 foram reunidos em livro sob o título de Através da imprensa. Além da vivência nas redações de jornais, teve contato, em Porto Alegre, com o celebrado polígrafo Apolinário Porto Alegre, cujo retiro da Casa Branca era "a verdadeira sede da atividade espiritual do Rio Grande".

Em 1903, Alcides Maya fez sua primeira viagem ao Rio de Janeiro, onde seu nome já era bem conhecido. A partir de então, passou a viver e a desenvolver atividades, alternadamente, ora no Rio de Janeiro, ora em Porto Alegre. Homem de caráter e refinado esteta, era o tipo de intelectual talhado para sentir-se à vontade na capital do país. Seu gauchismo sem jaça era a expressão da autenticidade do seu nacionalismo atuante. Suas idéias anti-separatistas estão contidas no livro O Rio Grande independente. No Rio, residia numa "república de intelectuais", situada na rua das Laranjeiras, onde recebeu um dia a visita de Machado de Assis. Desde então, foi levado a entrar na intimidade do mundo machadiano.

A partir de 1905, passou a militar na imprensa carioca, profissionalmente, colaborando em O País, O Imparcial, Correio da Manhã e Jornal do Commercio. Assinava artigos também com o pseudônimo Guys. Em 1908, voltou para Porto Alegre, levado por uma motivação bastante ambiciosa: a fundação de um matutino, o Jornal da Manhã. Durou apenas um ano, mas ficou na sua coleção uma parte valiosa do acervo jornalístico de Alcides Maya. De volta ao Rio, viveu os melhores anos de sua carreira jornalística e literária. Em 1910, publicou seu único romance, Ruínas vivas, que irá compor, com os livros de contos Tapera (1911) e Alma bárbara (1922), a sua trilogia regionalista, que reflete a poesia dos pampas, buscando no passado as raízes do seu povo. Outros grandes momentos de sua carreira deram-se em 1912, com a publicação do ensaio Machado de Assis (algumas notas sobre o humour), e, no ano seguinte, com a sua entrada na Academia Brasileira de Letras, como o primeiro rio-grandense a ter ingresso na Casa de Machado de Assis. Por essa época, era o bibliotecário do Pedagogium.

Representou o Rio Grande do Sul na Câmara dos Deputados, no período legislativo de 1918 a 1921. Embora integrado na representação do Partido Republicano, a sua atividade parlamentar se fez sentir pela preocupação com os problemas da educação e cultura. De 1925 a 1938, residiu em Porto Alegre, com breve incursão ao Rio, decorrente de sua participação no movimento revolucionário de 30. Lá dirigiu o Museu Júlio de Castilhos, até se aposentar, e colaborou no Correio do Povo. Levado por uma inquietação de toda a vida, retornou ao Rio, onde viveu os últimos anos de sua vida (1938-1944), escrevendo para o Correio do Povo e freqüentando a Academia Brasileira de Letras quando podia. Mas sempre sentindo saudades do Rio Grande, da sua querência. Para lá voltou, cinco anos após sua morte, quando seus restos mortais foram trasladados para o Panteon Rio Grandense, em Porto Alegre.

Obras: Pelo futuro, ensaio (1897); O Rio Grande independente, ensaio (1898); Através da imprensa (1898-1900), jornalismo (1900); Ruínas vivas, romance (1910); Tapera, contos (1911); Machados de Assis - Algumas notas sobre o humour, ensaio (1912); Crônicas e ensaios, jornalismo (1918); Alma bárbara, contos (1922); O gaúcho na legenda e na história, ensaio (1922); Lendas do Sul, folclore, publicadas na Ilustração Brasileira (1922); Romantismo e naturalismo na obra de Aluísio Azevedo (1926).

Biografias Relacionadas


- Mario De Alencar

Mário Cochrane de Alencar, poeta, jornalista, contista e romancista, nasceu no Rio de Janeiro, RJ, em 30 de janeiro de 1872, e faleceu na mesma cidade em 8 de dezembro de 1925. Eleito em 31 de outubro de 1905 para a Cadeira n. 21, na sucessão de José...

- Carlos Magalhães De Azeredo

Carlos Magalhães de Azeredo, jornalista, diplomata, poeta, contista e ensaísta, nasceu no Rio de Janeiro, em 7 de setembro de 1872, e faleceu em Roma, Itália, em 4 de novembro de 1963. Foi um dos dez intelectuais convidados para integrar o quadro dos...

- Augusto Meyer

Augusto Meyer, jornalista, poeta, ensaísta, memorialista e folclorista, nasceu em Porto Alegre, RS, em 24 de janeiro de 1902, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 10 de julho de 1970. Eleito em 12 de maio de 1960 para a Cadeira n. 13, na sucessão de Hélio...

- Múcio Carneiro Leão

Jornalista, poeta, contista, crítico, romancista, ensaísta brasileiro nascido em Recife, PE, que como acadÊmico da ABL dedicou-se especialmente à organização, prefácio e notas da obra crítica de João Ribeiro. Filho do médico Laurindo Leão e de Maria Felicíssima...

- Cassio Grinberg

Cassio Grinberg (1972) nasceu em Porto Alegre (RS). Cursou oficinas literárias do escritor Charles Kiefer, da Casa de Cultura Mário Quintana e do escritor Luis Antônio de Assis Brasil, todas na capital gaúcha. Publicou a novela "A Escultura e o Sofá",...