Netsaber » Biografias

Alfredo Pujol

(advogado, jornalista, crítico, político e orador)
1865-1917


Alfredo Pujol (A. Gustavo P.), advogado, jornalista, crítico, político e orador, nasceu em São João Marcos, RJ, em 23 de março de 1865, e faleceu em São Paulo, SP, em 20 de maio de 1930. Eleito em 14 de novembro de 1917 para a Cadeira n. 23, na sucessão de Lafayette Rodrigues Pereira, foi recebido em 23 de julho de 1919, pelo acadêmico Pedro Lessa.

Era filho do educador Hippolyte Gustave Pujol e de Maria Castro Pujol. Iniciou os estudos primários com o pai. Transferiu-se para São Paulo, onde concluiu os preparatórios e cursou a Faculdade de Direito, bacharelando-se em 1890. Quando estudante, trabalhou como revisor de jornais, exercendo também o magistério particular.

O advogado distribuiu a sua atividade no foro criminal e no civil. Tornaram-se notáveis algumas defesas por ele feitas perante o tribunal do júri em São Paulo e outras cidades paulistas. Foi consultor jurídico da Associação Comercial de São Paulo. A imprensa constituiu sempre a sua atração. Escreveu em jornais de São Paulo, como o Diário Mercantil e o Estado de São Paulo, de Campinas e do Rio de Janeiro.

Iniciou a carreira política em 1888, ainda estudante do 3o ano do curso jurídico. Ao lado de Francisco Glicério, encetou a propaganda republicana com discursos e conferências políticas. Em 1892, o Partido Republicano Paulista elegeu-o deputado estadual. Três anos depois era secretário do Interior, e dedicava-se à causa do ensino. No quadriênio presidencial de Campos Sales, abandonou o mandato de deputado em virtude de divergências políticas. Militou com relevo na campanha civilista de Rui Barbosa, quando a opinião nacional se manifestou contra o militarismo implantado Pinheiro Machado, com a candidatura do marechal Hermes da Fonseca à presidência da República.

O orador distinguiu-se como advogado, como conferencista e como político, principalmente na campanha civilista. Vários de seus discursos encontram-se publicados em folheto.

A sua estréia literária se fez com um artigo sobre o romance A carne, de Júlio Ribeiro, considerado como crítica porque ele soube distinguir da arte naturalista o objetivo de escândalo. Para ele, romances como O homem, de Aluísio Azevedo, A carne, de Júlio Ribeiro, e outros do gênero na literatura brasileira, na portuguesa e na francesa, não deveriam ser considerados como obras de arte. O artigo de Pujol chamou a atenção do meio literário, porque revelava a sinceridade e coragem do jovem crítico.

Além da crítica na imprensa, passou a dedicar-se a um gênero literário em voga, introduzido por Medeiros e Albuquerque e cultivado por Olavo Bilac, Coelho Neto e muitos outros escritores do Rio e de São Paulo: a conferência literária. Notabilizou-se pelas sete conferências aos sócios da Cultura Artística, de São Paulo, em curso literário sobre a personalidade e a obra de Machado de Assis. Antes dele, somente Sílvio Romero, no seu livro inepto contra Machado de Assis, José Veríssimo e Araripe Júnior haviam tentado interpretações de Machado de Assis, e ainda o conselheiro Lafayette, que respondeu em poucas páginas ao libelo de Sílvio Romero. A série de conferências de Alfredo Pujol, posteriormente reunidas em volume, valeu-lhe a consagração da Academia e o mérito de ser um dos primeiros estudiosos da vida e da obra do maior escritor brasileiro.

Inteligente, culto, Alfredo Pujol era conhecido também pelo amor aos livros. Nas suas viagens pela Europa, freqüentava os magasins e os bouquinistes, dedicando a maior parte do tempo a essas visitas de sua predileção. Assistia, com assiduidade, às conferências literárias, no Colégio de França e na Sorbonne. Era um trabalhador infatigável e um cavalheiro distinto pelo espírito de sociabilidade.

Era membro da Academia Paulista de Letras e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.

Obras: Mocidade e poesia, conferência (s.d.); Homenagem à memória de Sadi Carnot, discurso (1894); Floriano Peixoto, discurso (1895); O Direito na confederação (1898); Manual de audiências, em colaboração com Eugênio Egas (1908); Machado de Assis, conferências (1917). Análise de A carne, de Júlio Ribeiro (Revista do Brasil, n. 23). Encontram-se trabalhos de Alfredo Pujol na revista de Tribunal de Justiça de São Paulo, e no Estado de São Paulo.

Biografias Relacionadas


- Cândido Mota Filho

Cândido Mota Filho, advogado, professor, jornalista, ensaísta e político, nasceu em São Paulo, SP, em 16 de setembro de 1897, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 4 de fevereiro de 1977. Foi eleito em 7 de abril de 1960 para a Cadeira n. 5 da Academia...

- Raul De Ávila Pompéia

Jornalista, contista, cronista, novelista e romancista da escola realista brasileira nascido em Jacuecanga, Angra dos Reis, Estado do Rio de Janeiro, considerado um dos melhores escritores psicólogos da literatura brasileira em virtude de um profundo...

- Ataulfo De Paiva

Ataulfo de Paiva (A. Nápoles de P.), advogado, magistrado e orador, nasceu em São João Marcos, RJ, em 1o de fevereiro de 1867, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 8 de maio de 1955. Eleito em 9 de dezembro de 1916 para a Cadeira n. 25, na sucessão de...

- Rui Barbosa

Estadista e escritor, nasceu em Salvador, Bahia, no dia 5.11.1849, morreu em Petrópolis, Rio de Janeiro nodia 01.03.1923. Bacharelado em Ciências Jurídicas pela Faculdade de Direito de São Paulo. Voltando a Salvador, estabeleceu banca de advocacia....

- Aníbal Freire Da Fonseca

Aníbal Freire da Fonseca, jornalista, advogado, magistrado, professor, orador e político, nasceu em 7 de julho de 1884, em Lagarto, SE, na mesma cidade em que nasceram dois outros antigos acadêmicos, Sílvio Romero e Laudelino Freire, seu tio. Faleceu...