Netsaber » Biografias

ARACY BALABANIAN

(Atriz)
1940-


O nome verdadeiro de Aracy Balabanian é mesmo Aracy Balabanian, filha de Rafael e Esther Balabanian, um casal armênio, refugiado de guerra, que não sabendo o idioma, montaram uma loja de calçados em Campo Grande, Mato Grosso do Sul, onde nasceu Aracy, em 22 de fevereiro de 1940. Rafael e Esther eram viúvos, tendo filhos de seus casamentos, e da união deles é que nasceu Aracy. Claro que a menina era muito paparicada. Ensinavam-lhe poesia, dança, e ela tinha que ler jornal. E foi assim que logo se ligou à seção de arte, televisão, teatro dos jornais. Depois a família mudou-se para a capital paulista, pois os filhos maiores do casal precisavam estudar. Aos doze anos a menina Aracy viu, pela primeira vez um espetáculo teatral, com a atriz Maria Della Costa. E, já no primeiro impacto, ela viu que aquilo era o que queria fazer para o resto de sua vida. Aracy estudou no Colégio Bandeirantes em São Paulo e sempre foi boa aluna. Assim fez Faculdade de Filosofia, cadeira de Ciências Sociais, e ao mesmo tempo entrou na Escola de Arte Dramática. Mas acabou abandonando, no 3º ano, o curso de Ciências Sociais, mas terminou Arte Dramática com louvor. Estava com 22 anos e com 23 entrou no Teatro Brasileiro de Comédia, com a peça “Ossos do Barão”, de Jorge Amado. Já havia feito “Macbeth”, onde fazia a personagem “Lady Machbeth” na peça de formatura, onde tirou nota 10. O pai Rafael, que não gostava da carreira escolhida pela filha, acabou por se conformar e apoiar. E aí Aracy Balabanian foi para a Televisão Tupi de São Paulo, após alguns trabalhos, fez a grande novela “Antonio Maria”, cujo astro principal era Sergio Cardoso, de quem o pai de Aracy era admirador. Isso facilitou a vida da jovem atriz, pois o pai passou a ser seu fá. Concomitantemente no teatro e na televisão, atuava Aracy. Depois de “Ossos do Barão” fez várias outras peças. Na televisão várias novelas, dentre elas: “O amor tem cara de mulher”. Aracy sempre teve muita dedicação a seus pais. E ambos vieram a falecer, para grande sofrimento dos filhos. Na televisão a atriz viveu uma grande fase, atuando em novelas, como: “Nino, o italianinho” e “A fábrica”, escritas por Geraldo Vietri. Foi quando a TV Globo chamou Aracy para realizar o trabalho “Vila Sesamo”. Era uma produção em conjunto com a TV Cultura. Essa foi uma experiência maravilhosa que durou dois anos. Só depois disso é que Aracy Balabanian mudou-se para o Rio de Janeiro, e aí continuou sua carreira de sucesso, na TV Globo. Fez: “Bravo”; “Casarão”, “Coração Alado”; “Angélica”; “Pecado Rasgado”; “Rainha da Sucata”. E foi nessa novela que Aracy voltou às origens genéticas, fez dona Armênia, mãe de três filhões, que ela chamava de “minhas filhinhas”. Aí criou o bordão “Na chon, na chon”. O povo todo repetia essa frase, quando uma coisa não dava certo. O autor da novela, Silvo de Abreu, adorou a personagem. Depois Aracy Balabanian apareceu em “A próxima vítima”, onde fazia uma elegante e refinada italiana. E aí aconteceu o “Sai de baixo”. Realizado ao vivo e com público, esse seriado foi um tremendo sucesso nacional, que ficou muitos anos em cartaz. Cerca de sete anos. Em teatro propriamente dito, Aracy fez, entre outros: “Oh, que delícia de guerra”, de Adhemar Guerra. Fez ainda “Marat Sade”. Bem antes Aracy havia participado da primeira montagem de “Hair”, sucesso internacional. A atriz ganhou quase todos os prêmios da classe, sendo sempre considerada ma grande atriz. De temperamento muito dedicado ao trabalho, Aracy jamais esqueceu seus pais. E o pai dizia à ela: “Filha, vá mais devagar. Nós acabamos, mas o mundo não acaba não”. Aracy passou alguns transtornos na vida, mas nunca largou aquilo que mais valoriza: a amizade. E ela é cheia de amigos. É madrinha de filhos de colegas, mas nunca se casou e não tem filhos. Mas conserva uma maneira simples de ser e jamais começou um trabalho, sem se lembrar do compromisso que tem com seu público. E reza o Pai Nosso e a Ave Maria todos os dias de sua vida. Ela diz que faz isso para agradecer, e dormir bem. É uma grande atriz e uma grande mulher, a Aracy Balabanian

Biografias Relacionadas


- Juca De Oliveira

Juca de Oliveira se chama José de Oliveira Santos. Nasceu em São Roque, cidade vizinha à Capital Paulista. Filho de Antonio de Oliveira Santos, cuja profissão era fazer "rolo", como diz brincando Juca, o filho famoso, que é trocar cavalo por burro, etc...

- Beatriz Segall

Beatriz Toledo Segal nasceu no Rio de Janeiro. Filha de Deborah Lago de Toledo Fonseca e Mario de Toledo Fonseca, ele formado em Direito. E ambos professores muito importantes do Rio. Eles dirigiam o Colégio Pio Americano e o Colege Lafayettte. Ali Beatriz...

- Silvio De Abreu

Sílvio de Abreu nasceu em São Paulo, capital, em 20 de dezembro de 1942. Eis aqui o que ele mesmo sobre sobre mesmo: "O início de minha carreira em televisão, ainda como ator, foi na Rede Tupi em 1966 quando fiz um pequeno papel nos primeiros capítulos...

- Ana Rosa

Ana Rosa Guy Galego Corrêa é seu nome. Corrêa é do marido. Sempre usou apenas Ana Rosa, a menina nascida no Circo Novo Horizonte, de seu avô, que por acaso estava em Promissão, estado de São Paulo. Sua mãe, Hildomar Pimenta casou-se com Jorge Galego,...

- Sonia Maria Dorce

Suzana Vieira nasceu Sônia Vieira Gonçalves, mas há 40 anos é chamada só de Suzana Vieira, seu nome artístico. Seu pai, Mario de Vieira Gonçalves era militar e foi Adido Militar na Embaixada do Brasil em Buenos Aires. A mãe de Suzana, Maria da Conceição,...