BUSCA

Links Patrocinados



Buscar por Autor
   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


A Interpretação Das Culturas
(Clifford Geertz)

Publicidade
Este livro consiste na apresentação de um trabalho antropológico de Clifford Geertz, desenvolvido sob a égide da perspectiva teórica do(interacionismo simbólico. Neste sentido, cabe indicar que o referido livro de Clifford Geertz se dedica a realizar uma análise antropológica das dimensões culturais da política, da religião e dos costumes sociais. Para realizar tal análise, Geertz se apóia em vários exemplos, que vão desde a etnografia da briga de galos Balinense, até a análise dos sistemas de casamento em parentesco europeus medievais. No âmbito destes estudos, percebe que ,como estrutura estruturante na organização das sociedades está a cultura, cabe mencionar que o autor indica que esta pode ser definida como um sistema cultural de organização (e controle) das coletividades, sistema este pautado em um mecanismo de apreensão do poder por meio da posse dos signos de poder (por parte dos que controlam as altas esferas sociais) e da submissão dos membros de uma comunidade política a tais signos. Para que esta submissão ocorra, a cultura é a mediação entre o poder e o objeto de sua ação, isto é possível, pelo fato de que, segundo Geertz, na Antropologia o conceito de cultura sofre uma revisão e passa a ser visto como: ?um padrão de significados transmitidos historicamente, incorporado em símbolos e materializado em comportamentos?. Complementar a esta noção, está a idéia de que as imagens públicas do comportamento (cultural) são vistas como os mais eficazes elementos do controle social. Deste modo, a cultura é em parte controladora do comportamento em sociedade e, o mesmo tempo cria e recria este comportamento, devido ao seu conteúdo ideológico, impossível de ser esvaziado de significado, já que toda cultura possui uma ideologia que o embasa, pois para o autor a ideologia é apresentada como a dimensão norteadora/justificativa do ?arbitrário cultural? (os princípios que são aceitos pelo senso comum como indiscutíveis, e que definem o que é valorizado ou desvalorizado em termos comportamentais em determinado grupo humano), sendo este arbitrário cultural o elemento mediador da apreensão dos signos e significados presentes em uma cultura. Devido à perspectiva explicitada acima, o autor desenvolve um método a partir do qual a pesquisa antropológica começa levando em conta nossas próprias percepções, problematizadas como parte da ?vigilância epistemológica? (termo criado por Gaston Bachelard para designar o cuidado que o pesquisador deve ter para não se deixar influenciar por suas próprias opiniões, crenças e percepções a respeito do objeto de pesquisa). A esse respeito, cabe informar que Geertz, com vistas a superar os métodos analíticos anteriores baseados em uma análise cultural pautada em uma espécie de adivinhação de significados (como, por exemplo o empregado por Malinowski), o autor se dedica a desenvolver uma Fenomenologia da Cultura. Tal método seria utilizado para analisar e descrever a estrutura significativa da cultura a partir do estudo da percepção dos indivíduos nela presentes. Para tanto, o autor indica que o essencial é anotar e interpretar o discurso social. Excelente livro para todos os que se dedicam a estudar a antropologia cultural, pois é uma obra que além de servir como introdutória, situa o leitor no âmago de alguns dos debates mais candentes do campo em questão.




Passei.com.br | Portal da Programação | Biografias

FACEBOOK


PUBLICIDADE




encyclopedia